Espasmo hemifacial

O espasmo hemifacial  caracteriza-se por contrações involuntária (espasmos) dos músculos de um único lado do rosto. Este transtorno crônico pode, a longo prazo, tornar-se quase permanente e constituir deficiêncisa visual e socialimportantes. Com a Ipsen, você poderá obter mais informações sobre esta doença, o seu diagnóstico e os diferentes tratamentos.

Existem vários tratamentos para aliviar os doentes vítimas de um espasmo hemifacial:

  • Injeções de agentes paralisantes neuromusculares: aplicadas por um médico especialista (neurologista, fisiatra, oftalmologista ou otorrinolaringologista), estas injeções são administradas no músculo orbicular do olho (músculo que forma uma zona elítica em volta das pálpebras) e às vezes nos músculos da parte inferior do rosto. A neurotoxina botulínica permite limitar o sinal nervoso que chega ao músculo e atenuar as contrações musculares. Os efeitos deste tratamento duram cerca de três meses e ele pode ser repetido indefinidamente.
  • Cirurgia: é utilizada como tratamento alternativo à injeção da toxina botulínica e, especialmente, no caso de um espasmo hemifacial decorrente da lesão. A intervenção cirúrgica neste caso é muitas vezes a melhor opção de tratamento em doentes mais jovens.
  • Tratamentos medicamentosos: são usados diferentes  medicamentos no tratamento do espasmo hemifacial, como os anticonvulsivantes, os anticolinérgicos, os neurolépticos ou ainda a alcoolização do nervo facial, mas com uma eficácia relativa.

Aparece geralmente entre os 50 e os 70 anos

Mais frequente
na mulher

A RM cerebral permite o diagnóstico preciso

Última atualização 06/10/2017