Espasmo hemifacial

O espasmo hemifacial  caracteriza-se por contrações involuntária (espasmos) dos músculos de um único lado do rosto. Este transtorno crônico pode, a longo prazo, tornar-se quase permanente e constituir deficiêncisa visual e socialimportantes. Com a Ipsen, você poderá obter mais informações sobre esta doença, o seu diagnóstico e os diferentes tratamentos.

O diagnóstico do espasmo hemifacial é baseado no:

  • Questionamento e exame do doente por um clínico geral. Este tem o papel de diferenciar o espasmo hemifacial de outros movimentos anormais semelhantes como o blefaroespasmo, os tiques faciais, as  mioclonias (sucessão de contrações ao longo de um músculo, dando um aspecto de ondulação) ou o espasmo facial pós-paralisia.
  • RM cerebral (imagem por ressonância magnética), muitas vezes prescrita para esclarecer o diagnóstico. Este exame, em conjunto com uma angiografia (angioressonância é ressonância magnética dedicada ao exame dos vasos sanguíneos do organismo), permite igualmente evidenciar um conflito neurovascular (conflito entre o nervo facial e uma artéria do cérebro) presente em 88% dos doentes. Neste caso, deve ser considerada uma intervenção neurocirúrgica.

Aparece geralmente entre os 50 e os 70 anos

Mais frequente
na mulher

A RM cerebral permite o diagnóstico preciso

Última atualização 06/10/2017