Blefaroespasmo

O blefaroespasmo é uma doença que se manifesta por contrações repetidas e involuntárias dos músculos das pálpebras. Este problema também pode designar um piscar acelerado ou uma impossibilidade total de abrir as pálpebras, diminuindo assim a capacidade dos doentes de realizarem as atividades diárias. Com a Ipsen, você poderá obter mais informações sobre esta doença, o seu diagnóstico e os diferentes tratamentos.

Definição

O blefaroespasmo é a segunda forma mais frequente de distonias focais (localizadas) do adulto. Provoca espasmos dos músculos das pálpebras, provocando o fechamento incontrolável das mesmas. Estas contrações musculares podem ser quase contínuas e causar uma impressão de cegueira nos doentes, ainda que os olhos estejam intactos. Na verdade, mesmo que o blefaroespasmo só afete por vezes um único lado do rosto, as pálpebras dos dois olhos são frequentemente afetadas ao mesmo tempo.

 

Sintomas e consequências para a saúde

O blefaroespasmo instala-se geralmente de forma progressiva e o fechamento intempestivo das pálpebras começa geralmente pelo simples piscar. Geralmente, este desconforto é sentido quando a atividade visual é intensa (leitura, visualização de uma tela, condução de um veículo). Após algumas semanas, os espasmos provocam uma oclusão completa das pálpebras e dura desde alguns segundos a alguns minutos. O blefaroespasmo pode mesmo levar à uma cegueira funcional que representa um grande obstáculo para os doentes.

Esta doença pode igualmente estar associada a uma contração dos músculos da parte inferior do rosto e do maxilar (síndrome de Meige), que faz com que os doentes façam caretas quando tentam abrir os olhos.

A frequência dos espasmos é geralmente variável ao longo do dia. São frequentemente espaçados no tempo ao acordar e tornam-se mais frequentes durante a tarde. Algumas circunstâncias agravantes podem intensificar este problema:

  • exposição à luminosidade excessiva,
  • dirigir um veículo,
  • assistir televisão,
  • ler,
  • estar estressado ou fatigado.

Usar óculos adequados ou descansar podem reduzir os sintomas do blefaroespasmo.

 

Fatores de risco

A causa do blefaroespasmo, como sintoma da síndrome de Meige, permanece ainda desconhecida. É chamado de blefaroespasmo essencial ou idiopático. Contudo, identificamos um risco acrescido de desenvolver esta doença nas pessoas que sofrem de grande sensibilidade à luz, que têm os olhos secos ou que tomam determinados medicamentos, como os usados no tratamento da doença de Parkinson e os medicamentos da classe dos benzodiazepínicos.

 

Incidência

O blefaroespasmo é uma doença rara, com cerca de 36 pessoas afetadas em 1 milhão na Europa. No entanto, estes números são sem dúvida subestimados devido à dificuldade de diagnosticar esta doença. Geralmente, o blefaroespasmo aparece entre os 50 e os 60 anos e as mulheres são mais frequentemente afetadas que os homens (em média três mulheres para cada dois homens).

Uma doença rara

Aparece geralmente entre os 50 e os 60 anos

As mulheres são mais afetadas que os homens

Última atualização 06/10/2017